Em cima da hora:
Baile Municipal de Bezerros vende ingressos para show de Araketu
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • 14/09/2017


    Sobe - Pré-Escola em Feira de Santana por valorizar a cultura do jornal impresso como registro da história da cidade.

     

    Desce - As supostas fraudes de pesquisas em campanhas eleitorais na Bahia.
     

    Iluminação pública

     

    O vereador Zé Filé criticou mais uma vez o governo municipal, o edil afirmou que solicitou há três meses a reposição de uma lâmpada, quase em frente à sua casa, no bairro Feira X, e que até agora o problema não foi resolvido.“Imagine vocês o que está acontecendo com a administração. Saudades eu tenho dos dois primeiros mandatos de Ronaldo, onde era tudo resolvido, o prefeito perdeu o poder, a autoridade com o secretariado. Três meses para trocar uma lâmpada? Na rua F, tem uma praça com todas as lâmpadas queimadas, agora imagine? O que está acontecendo?”, questionou.

     

    Gratuidade para deficientes

     

    Em seu discurso na manhã de ontem (13), a vereadora Eremita Mota, falou sobre a determinação da Defensoria Pública, que concede aos portadores de deficiência o direito à gratuidade no transporte público em Feira de Santana.“Vivemos em um país que é tão difícil de se cumprir tratados como este, que é preciso a intervenção da Defensoria Pública para garantir direitos. Muitas pessoas já me procuraram e me pediam transporte, tínhamos que entrar com uma liminar para garantir estes transportes, não sei porque as empresas de ônibus acham que a gratuidade vai dar prejuízos para eles”, disse.


    Comemorou


    O vereador João Bililiu (PPS) comemorou a sanção do Projeto de Lei de sua autoria que dispõe sobre a criação do Cadastro Municipal de Pessoas Desaparecidas. “É com muita satisfação que venho dizer que conseguimos emplacar mais um projeto de grande valia em nossa cidade. O Executivo sancionou ontem (12), o Projeto de Lei que cria o cadastro de pessoas desaparecidas através de um banco de dados que será desenvolvido pela Secretaria Municipal de Prevenção à Violência. Essa lei irá facilitar a busca dos familiares por seus entes desaparecidos”, comemorou.


    Repasse de recursos


    Cadmiel Pereira (PSC) criticou o atraso no repasse dos recursos para as políticas públicas voltadas para a assistência social. Segundo ele, sem os repasses fica impossível a execução de programas e projetos sociais em Feira de Santana.“No último dia 6 de setembro houve um reunião do Conselho Nacional de Assistência Social, onde foi colocada a proposta de redução de mais de 40% do orçamento de 2018 para as políticas públicas nacionais de políticas sociais. Quando penso que vamos avançar presenciamos um retrocesso e quem mais sofre com isso são as pessoas que precisam dos programas sociais. Vamos sair de um repasse de R$ 59 bilhões para quase sua metade”, relatou Cadmiel.

     

    Importância da fotografia


    Cadmiel Pereira ainda destacou a importância da fotografia para eternização de momentos e parabenizou os fotógrafos e fotojornalistas que atuam com sensibilidade para captação de momentos que marcam a história. Ele citou grandes nomes da fotografia como o fotógrafo mineiro Sebastião Salgado e os feirenses Elydio Azevedo, Antônio Magalhães, Jorge Magalhães, Antônio Carlos Magalhães, mais conhecido como ACM, Silvio Tito, Guto Jades, Gracio Marinho, dentre outros. “A fotografia tem uma importância para a sociedade porque, através dela, aquele momento, em especial, se torna história e reconhecimento de acontecimentos que nunca sairão do imaginário dos cidadãos”, relatou.


    Caos na saúde


    Lulinha (DEM), criticou a situação da saúde pública em Feira de Santana e cobrou a construção do novo hospital geral prometido pelo governador Rui Costa durante campanha eleitoral. Na oportunidade, o edil parabenizou a diretora da Fundação Hospitalar de Feira de Santana, Gilberte Lucas, pelo trabalho de excelência realizado pelo Hospital da Mulher no atendimento às parturientes.“A saúde está um caos. Nas policlínicas do Município os pacientes encontram médicos e remédios, diferente do que acontece nas unidades de saúde do Estado. Feira de Santana atende pacientes de mais 145 municípios, que enfrentam problemas na regulação e de atendimento no HGCA na UPA”, reclamou. 



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia