Em cima da hora:
GM investe US$ 500 milhões em rival do Uber
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • 31/03/2018


    Sobe - A guarda municipal de Feira de Santana por completar 125 anos de atuação honrada na defesa e preservação do patrimônio público da cidade.

     

    Desce - O ex-ministro Wagner Rossi, que foi preso na quinta-feira (29), em uma das ações da Operação Skala, deflagrada pela Polícia Federal.


    Vai impactar a Bahia


    O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), em discurso durante lançamento das obras de implantação do BRT da capital baiana, na quinta-feira (28), afirmou que "minhas decisões da próxima semana vão ter impacto em Salvador e na Bahia". O gestor pode ser candidato ao governo da Bahia, mas até agora faz do possível anuncio oficial um mistério. "Independentemente do que aconteça esta semana, eu continuarei sendo o mesmo. Essa mesma pessoa que vocês aprenderam a lidar e conviver", disse ele, que prometeu divulgar a decisão até 7 de abril.


    Sudesb e Bahiatursa em jogo


    O presidente do PR na Bahia, José Carlos Araújo, se reuniu na noite da quarta-feira (28), com o governador da Bahia, Rui Costa (PT). Em conversa com o Bahia Notícias na manhã de quinta (29), o deputado federal disse que pediu a Bahiatursa, a Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia (Sudesb), além da pasta que hoje a legenda comanda: a Secretaria de Turismo (Setur). "Disse a ele que só com a Setur não dá. Ele deu risada. Vamos ter uma conversa semana que vem para definir isso. Queremos aumentar espaço. Mas, vou conversar com os deputados federais [José Rocha e João Carlos Bacelar] antes", disse.


    Ex-ministro preso


    O ex-ministro Wagner Rossi foi preso na quinta-feira (29), em uma das ações da Operação Skala, deflagrada pela Polícia Federal. Também foi preso Milton Ortolan, auxiliar de Rossi. A operação foi autorizada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do inquérito que investiga se Temer, por meio de decreto, beneficiou empresas do setor portuário em troca de suposto recebimento de propina. Na mesma operação da PF, foram presos nesta quinta o advogado José Yunes, amigo do presidente Michel Temer, o ex-coronel João Batista Lima, outro amigo de Temer, e Antônio Celso Greco, dono da empresa portuária Rodrimar, que atua no porto de Santos.


    Achou prisão um absurdo


    O advogado José Yunes criticou o mandado de prisão autorizado contra ele em entrevista à coluna da jornalista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo. "É um absurdo", declarou, pouco antes de entregar o seu celular às autoridades. Ele foi preso pela Polícia Federal durante a manhã de quinta-feira (29). Yunes admitiu que o mandado foi motivado pelo inquérito que apura se um decreto assinado pelo presidente Michel Temer beneficiou empresas do setor de portos em troca de propina. "É um caso que eu já depus e tudo", disse à coluna de Mônica Bergamo.


    Recebimentos bilionários


    O empresário e pré-candidato à Presidência da República, Flávio Rocha, recebeu R$ 1,3 bilhão em empréstimos do BNDES nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Dono da Riachuelo, ele já fez críticas fortes sobre a maneira como o banco foi administrado durante as gestões petistas. Em vídeo publicado pelo Movimento Brasil Livre (MBL) em janeiro, ele afirmou que o BNDES "foi transformado num instrumento da política ideológica do PT". "O BNDES do PT não diz respeito a um período de tempo, diz respeito a uma prática", reforçou. Segundo dados divulgados pelo site BuzzFeed News, todos os empréstimos do BNDES às empresas de Rocha foram aprovados durante os governos Dilma e Lula.


    Lula cancela viagem


    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cancelou sua passagem por Guarapuava (PR) na manhã de quarta-feira (28), após o ataque a dois ônibus de sua caravana ontem, na estrada entre Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul, informou o diretório municipal do PT de Guarapuava. O presidente do partido na cidade, Antenor Gomes de Lima, divulgou um comunicado nas redes sociais afirmando que o cancelamento foi decidido por medo de novos ataques à caravana e para preservar a segurança de Lula. O petista, contudo, manteve a agenda prevista para Curitiba, às 17h, onde encerra sua caravana pela região. 



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia