SECOM - BAHIA AQUI É TRABALHO
Em cima da hora:
Enchente atinge bananais em três cidades do Vale do Ribeira, SP
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • 25/10/2019


    Sobe - Banda Maestro João Antônio Wanderley (Banda da Polícia Militar da Bahia) por completar 170 anos humanizando a instituição.


    Desce - A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) por utilizar cota parlamentar para pagar gerenciamento de suas redes sociais na guerra digital que trava com os filhos de Bolsonaro.


    Homenagem


    A Câmara Municipal realizou, na última quarta-feira (23), sessão solene alusiva à Semana do Servidor Público Municipal e aos 170 anos da Banda de Música Maestro João Vanderley, da Polícia Militar da Bahia, que promoveu um dos momentos mais bonitos da noite, com a apresentação do Hino Nacional. A iniciativa foi dos vereadores Isaías dos Santos (Isaías de Diogo) e Fabiano Nascimento de Souza (Fabiano da Van). A solenidade para a dupla homenagem lotou a Casa da Cidadania.


    Recurso


    A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), ex-líder do governo no Congresso, utiliza dinheiro de sua cota parlamentar para pagar uma empresa que gerencia suas redes sociais, usadas como armas na guerra digital que trava com os filhos do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, a EG Consult, sediada no Rio de Janeiro, recebe R$ 2.500 mensais da verba pública para, entre outras tarefas, administrar um grupo de WhatsApp em que a deputada rebate acusações de traição e critica de adversários.


    Afirmação


    Ao chegar na China, ontem (24), o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), disse estar em um país capitalista. Os chineses comemoram o 70º aniversário da revolução comunista no início do mês.


    Possível extinção


    O ministro da Economia, Paulo Guedes, avalia eliminar os atuais patamares mínimos que estados e municípios devem aplicar nos setores de saúde e educação. A alteração está no esboço da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que está prestes a ser levada ao Congresso, para mudar regras fiscais e orçamentárias, de acordo com a Folha.


    Declaração


    O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que o governo brasileiro não irá conversar com o Greenpeace, organização ambiental que realizou protesto na última quarta-feira (23), em frente ao Palácio do Planalto. A manifestação ocorreu por conta da política ambiental brasileira e a forma como o governo tem lidado com o derramamento de óleo que afeta as praias do Nordeste. Em entrevista ao Correio Braziliense, o ministro declarou: “Não recebo terrorista”. Após a ação, 19 ativistas da ONG foram detidos pela Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF).


    Crítica


    Durante o ato da Câmara de Vereadores de Salvador de conscientização sobre a questão das manchas de petróleo cru nas praias, o vereador Marcos Mendes (PSOL) criticou a atuação do governo Bolsonaro sobre a situação. De acordo com o pesolista, o legislativo faz um ato educativo importante, mas é necessária uma atuação mais direta da União, responsável pela apuração do fato, classificado pelo vereador como desastre ambiental.


    Crítica I


    O governador Rui Costa (PT) culpou o governo Bolsonaro por usar “critérios políticos ideológicos” na falta de reação a contaminação por óleo nas praias do Nordeste brasileiro, em entrevista à Globo News.


    Projeto de lei


    Um projeto de lei de autoria do deputado federal Daniel Almeida (BA), líder do PCdoB na Câmara, propõem o pagamento de um seguro-desemprego no valor de um salário mínimo a pescadores artesanais afetados pelo derramamento de óleo nas praias do nordeste.



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia