Em cima da hora:
Motociclista fica ferido após bater de frente com ônibus em Ribeirão Preto
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • 25/08/2014


    Sobe- A eficácia do trabalho realizado pelo Procon, que implicou na redução de notificações a bancos.
    Desce- O envolvimento de policiais na morte do empresário Gil Porto.

    Ligação petista
    Num depoimento prestado à Polícia Federal, um dos integrantes do esquema investigado na Operação Lava Jato afirmou que o secretário nacional de finanças do PT, João Vaccari Neto, era um dos contatos de fundos de pensão com a CSA Project Finance Consultoria e Intermediação de Negócios Empresariais, empresa que o doleiro Alberto Youssef usou para lavar R$ 1,16 milhão do Mensalão, segundo a PF. “João Vaccari esteve várias vezes na sede da CSA, possivelmente a fim de tratar de operações com fundos de pensão com Cláudio Mente”, relatou o advogado Carlos Alberto Pereira da Costa, apontado como laranja de Youssef e do ex-deputado federal José Janene (morto em 2010).

    Desigual
    Alegando tratamento desigual nas entrevistas realizadas com os candidatos no BATV, programa da Rede Bahia, o PSOL entrou com uma liminar nesta quinta-feira no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) contra a emissora.De acordo com o artigo 46 da lei 9.504 de 1997, a sigla deve contar com o mesmo tempo de exposição que os demais partidos que tenham deputados federais, o que não aconteceu na emissora, de acordo com Mendes. O PSOL conta com três representantes na Câmara dos Deputados.

    Candidatura suspensa
    A liminar que permitia a candidatura a deputado federal do Capitão Azevedo (DEM), de Itabuna, foi suspensa, conforme publicação no Diário de Justiça na última terça-feira (19). Segundo informações do site Políticos do Sul da Bahia, o desembargador Eserval Rocha, presidente do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, entendeu que a liminar causaria grave lesão a ordem e ao interesse público. A impugnação de sua candidatura foi pedida pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), por conta da rejeição de suas contas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

    Ações rejeitadas
    O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferiu na última quinta-feira (21) representações da campanha do tucano Aécio Neves que acusavam a Petrobras de usar propagandas institucionais da estatal para fazer propaganda eleitoral antecipada para a presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição. Uma das peças contestadas pelo comitê do PSDB comemorava a marca de 500 mil barris de petróleo extraídos do pré-sal. A peça foi ao ar no dia 1º de julho. Segundo o tribunal, não foi verificada a presença de nenhum elemento caracterizador de propaganda extemporânea, como alusões às eleições, candidaturas, projetos e pedidos de votos, ainda que implícitos.

    Imagem proibida
    A decisão do desembargador Pedro Ivo de negar liminar da ação cautelar movida pela família de Eduardo Campos (PSB) que tentava impedir o uso de sua imagem e voz por outros partidos foi mantida na última quinta-feira (21) pelo pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE). No julgamento, ocorrido depois do horário eleitoral, os desembargadores consideraram como homenagens o uso da imagem de Campos pelos adversários políticos da coligação Pernambuco Vai Mais Longe. Nos próximos programas, outras veiculações que possam prejudicar a imagem do socialista serão avaliadas caso a caso.

    De jeito nenhum
    O apoio espontâneo do ex-prefeito de Salvador, João Henrique Carneiro (PSL), chegou de surpresa no colo da candidata ao governo da Bahia Lídice da Mata (PSB). Incisiva, a socialista afirmou com um “de jeito nenhum” quando perguntada se havia a possibilidade de João Henrique fazer palanque para sua candidatura ou, até mesmo, participar de seu horário na propaganda política. “Sequer estive com João Henrique em qualquer momento. Não tem nada planejado para isso. Isso é uma questão que ainda não decidi e, até o momento, não vou me posicionar”, respondeu Lídice.

    Julgamento
    O julgamento do processo disciplinar contra a desembargadora Telma Britto que apura irregularidades no pagamento inflacionado de precatórios, quando a magistrada presidia o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) pode ser realizado na próxima reunião do Pleno do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), marcada para o dia 2 de setembro. No último encontro, realizado na última terça (19), os 15 conselheiros não chegaram a apreciar o processo. Telma foi afastada do TJ-BA em novembro do ano passado e reconduzida ao Tribunal em 24 de julho deste ano, junto com o desembargador Mário Alberto Hirs, também acusado de participar do caso de superfaturamento de precatórios em mandato à frente do TJ logo após a gestão de Telma.

     



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia