Em cima da hora:
População detém suspeito de roubar menor no Centro de São Carlos, SP
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • 23/03/2017


    Sobe - Projeto Pacto pelas Águas por levar conscientização sobre o uso racional da água em Feira de Santana


    Desce - O uso irracional e irresponsável da água que pode resultar na escassez do bem maior da humanidade


    Impasse


    O vereador Lulinha (DEM) afirmou que as pessoas que tentaram depredar a Câmara Municipal na terça (21), foram identificadas e que se tratam de professores ligados à APLB. Edvaldo Lima (PP) rebateu o vereador dizendo que em nenhum momento ele viu os professores tentando quebrar a Câmara. "O vereador não viu ninguém arremessando cadeiras, e se isso aconteceu não foi por parte dos vereadores. Com certeza foi alguém infiltrado tentado denegrir a imagem dos professores", concluiu. As imagens já foram entregues à polícia, que identifcou os responsáveis, mas ainda não divulgou se tratam-se de professores. Depois do pronunciamento, Zé Carneiro encostou em Edvaldo e mostrou o vídeo onde o professor Jean arremessava a cadeira. Edvaldo encarou Zé Carneiro e respondeu: "Eu estava com a cabeça baixa, por isso não vi".


    Pediu afastamento de professor


    O líder do governo José Carneiro (PSDB) lembrou que veio de movimentos estudantis e que em nenhum momento fez badernas. "Foi vergonhoso ver Feira em rede nacional por conta de professores que tiveram estudo. Não podemos deixar isso acontecer, que professores despreparados participem de um movimento tão democrático e pratiquem atos de vandalismo", disse. O vereador ainda pediu que fosse encaminhado um ofício à secretaria de educação para que fosse aberto um processo administrativo contra o professor Jean, que arremessou uma cadeira contra o patrimônio da Câmara. "Os pais de alunos estão colocando seus filhos em risco em salas de aulas com professores como ele, tão despreparados. Fora Marlede da APLB", disparou.


    Professores não tiveram culpa


    "Quando estamos juntos, ganhamos a guerra", disse o vereador Edvaldo Lima (PP). Segundo ele, os professores precisam do respeito do legislativo e afirmou estar chateado com a entrada de policiais na última terça para "reprimir os professores". "São educadores e não havia necessidade de chamar a PM. A guarda estava fazendo um excelente trabalho, sem violência, ela chegou com pessoas que estavam infiltradas no movimento, pois não foram os professores que agiram daquela forma. Vocês não estão cometendo erro, estão lutando por seus direitos, meu voto será contrário", finalizou.


    Desconto não é solução


    O vereador Zé Filé disse que em 2001, quando o prefeito José Ronaldo assumiu a prefeitura, que conseguiu ser um excelente administrador, mas que aumentar o desconto no salário dos servidores não irá influenciar em nada no futuro. "O desconto não vai cobrir o rombo da previdência. Em 2019 o trabalhador contribuirá com 13%, não vai ser a solução", disse. O edil ainda afirmou ser a favor dos estagiários em sala de aula, mas desde que estejam acompanhados por professores formados.


    Em defesa de Marlede


    Roberto Tourinho (PV) afirmou que esteve na tarde da terça (21), em diversas emissoras de rádio, e que apoiou os professores. "Sei e entendo a luta deles. Não posso deixar de reconhecer a luta de Marlede em Feira, tem uma história de trabalho. A prefeitura de Feira vai colocar 29 milhões este ano e a outra parte será o dinheiro do servidor. Um grande número de entradas de aposentadoria deverão ser solicitadas este ano e esta contribuição com certeza refletirá no futuro", disse.


    Rebelou-se


    Segundo o vereador Zé Filé, "o poder público está fechando os olhos para a natureza". Em seu discurso na manhã de ontem, ele afirmou que é preciso pensar no futuro e que a água que existe hoje em abundância, amanhã poderá faltar. No mesmo instante, professores presentes na galeria começaram a protestar aos gritos de "pega a água e lava a consciência", o edil rebateu dizendo "que não concordou com a atitude dos vereadores na sessão da última terça e que durante a sua vida teve educação e que nunca vai quebrar um patrimônio público".


    Pediu retratação


    O vereador Lulinha (DEM) repudiou a manifestação dos professores, afirmando que chegaram à Casa na última terça "procurando briga" e ofendendo os edis. Lulinha pediu mais respeito e disse que tem que haver diálogo. "A Câmara de Feira apareceu a nível nacional sem necessidade. A professora Marlede tem que se retratar pelas ofensas ao presidente desta casa, quando o chamou de chefe da quadrilha. Vocês não representam os servidores públicos da cidade. Não querem diálogo, não querem conversa, só querem agredir e ofender. Esta casa hoje poderia estar em luto, pela violência e pelo risco que vocês colocaram os profissionais de imprensa. Não vamos ficar submissos ao vandalismo de professores", concluiu. 



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia